Pastores em Cuba são monitorados e ameaçados pelo governo comunista | Rádio Paraíso Fm de Quixelô

Pastores em Cuba são monitorados e ameaçados pelo governo comunista

Evangélicos rezam e choram durante um culto na memória daqueles que morreram no acidente de avião em Havana, Cuba, domingo, 20 de maio de 2018. Autoridades dizem que 110 pessoas morreram quando um jato de passageiros alugado pela companhia aérea estatal cubana, Cubana de Aviacion, caiu sexta-feira nos subúrbios rurais de Havana. (AP Photo / Ramon Espinosa)
Cada vez mais os pastores evangélicos e católicos estão sofrendo pressão pelo governo comunista de Cuba que quer o fim do Cristianismo no país... Os líderes religiosos estão sendo monitorados e recebendo ameaças do governo.
Autoridades da Igreja em Cuba pediram maiores proteções para suas denominações, mas em vez disso os pastores estão sendo monitorados e ameaçados à medida que os crentes enfrentam maiores incidentes de perseguição por parte de oficiais comunistas, segundo relatos de um grupo de vigilância de perseguição.
A Christian Solidarity Worldwide divulgou suas descobertas em um relatório na quinta-feira, observando que a liberdade de religião ou crença continua a ser violada no país.
Tanto as instituições protestantes quanto as católicas romanas pediram maiores proteções, mas isso levou a um maior assédio aos líderes religiosos, advertiu a CSW.
Muitas vezes isso exige formas mais sutis e difíceis de documentar, e é focado na tentativa de criar divisões entre e dentro de grupos religiosos“, explicou a organização.
Os líderes religiosos que assumiram um papel de liderança na campanha, tanto a nível local quanto nacional, relataram que a pressão sobre eles continua alta; durante o ano passado, muitos escolheram fugir do país e buscar refúgio no exterior”, diz o relatório.
Líderes da Igreja Católica Romana e das Igrejas Protestantes, tanto aquelas pertencentes como fora do Conselho Cubano de Igrejas, relatam freqüentes visitas e reuniões com agentes de segurança do Estado e funcionários do Partido Comunista Cubano. Essas visitas e reuniões parecem ter a intenção de intimidar os líderes religiosos e conscientizá-los de que estão sob vigilância. “
O relatório inclui vários exemplos dos tipos de assédios que as igrejas estão enfrentando. Também notou que vários líderes de igrejas de várias denominações relataram freqüentes visitas de agentes da segurança do Estado ou do Partido Comunista.
Alguns relataram avisos dos agentes e autoridades de que a educação de seus filhos, ou seu próprio emprego, poderia ser ameaçada se os líderes da igreja doméstica continuassem com suas atividades“, diz o relatório.
Em agosto, um funcionário do governo realizaram várias visitas a igrejas domésticas ligadas a um pastor no centro de Cuba. Os funcionários ameaçaram os donos das casas e os pressionaram a deixar de permitir que suas casas fossem usadas para atividades religiosas. Autoridades ameaçaram um proprietário, uma mulher idosa, com acusações criminais se mais de 10 pessoas se reunissem em sua casa a qualquer momento”.
A CSW faz várias recomendações para líderes mundiais, incluindo as Nações Unidas e o governo dos Estados Unidos, sobre como lidar com esse problema.
O Departamento de Estado deve continuar acompanhando de perto o FORB em Cuba e considerar a possibilidade de adicionar o país à Lista de Observação Especial“, solicitou ao governo dos EUA.
O Departamento de Estado deve garantir que todos os relatórios do FORB reflitam plenamente as opiniões de igrejas e líderes religiosos marginalizados, ao invés de posições de funcionários e escritórios estatais.”
Michael Mutzner, representante permanente da Aliança Evangélica Mundial na ONU, em Genebra, escreveu em um editorial para The Christian Post no início deste ano que os evangélicos em Cuba são freqüentemente controlados e reprimidos, mas ainda estão crescendo.
Mutzner observou que os evangélicos compõem cerca de 10% da população cubana, com a maioria das igrejas enfrentando algumas formas de restrições.
As igrejas estabelecidas depois de 1959 em Cuba enfrentam as condições mais difíceis, porque são consideradas ilegais. Eles representam 12% dos evangélicos cubanos. Alguns estão no país há mais de 30 anos, mas ainda não conseguem se registrar no Ministério da Justiça de Cuba ”, disse ele ao CP sobre as igrejas nas situações mais difíceis.
Seus locais de reunião podem ser destruídos e seus líderes presos. Assim, dezenas de pastores são regularmente perseguidos e presos. Alguns foram injustamente condenados em tribunal, como o pastor Núñez Velázquez, condenado em outubro de 2016 a uma prisão domiciliar de um ano. ”
Fonte: Portal Padom

Nenhum comentário:

Postar um comentário